CRA - Conselho Regional de Administração da Bahia

  • Acesso Rápido
  • Tamanho da Letra A+ A-
 

Notícias

Noticia > Eventos 05/04 - 08h04min
 

Mulheres, exemplos de superação, participam do 4º Fórum da Administradora do CRA-BA

Foi realizado nesta terça-feira, 27, o 4º Fórum da Administradora. O evento é uma iniciativa do Conselho Regional de Administração da Bahia (CRA-BA) em parceria com o Conselho Federal de Administração (CFA) e o Sindicato dos
Administradores da Bahia (Sindaeb), cujo objetivo foi tratar sobre a importância da ascensão das mulheres aos cargos de liderança nas corporações.

Compuseram a mesa de abertura o presidente do CRA-BA, Adm. Roberto Ibrahim Uhebe; o vice-presidente do CFA, Adm. Carlos Henrique Mendes da Rocha; a conselheira do CFA, Admª Tânia Maria da Cunha Dias; o diretor da Câmara de Relações Internacionais e Eventos do CFA, Adm. André Luis Saoncela da Costa; a diretora do CRA-BA, Admª Luíza Augusta da Rocha Moreira; a diretora de Formação Profissional do CRA-BA, Admª Maria da Graça Pitiá Barreto; a secretária Estadual de Políticas para as Mulheres, Julieta Palmeira; representante das seccionais do CRA-BA, Admª Daiana da Silva da Paixão.


Na abertura do encontro, o público participante recebeu as boas-vindas do presidente do CRA-BA, Roberto Ibrahim, e em seu discurso, agradeceu a presença dos conselheiros, dirigentes, coordenadores e professores dos cursos de Administração das instituições de ensino superior do estado da Bahia, dos associados da Associação das Bahia, dos profissionais de Administração, dos estudantes e demais presentes. Ibrahim destacou e parabenizou as ações das mulheres pela igualdade na sociedade.


A primeira a palestrar foi a administradora e psicóloga Luciene Figueiredo, que falou sobre os “Valores Femininos na Gestão”. Luciene destacou que a atuação das mulheres não deve ser levada pelo lado da competitividade, e sim da complementaridade. "Há aspectos em que o feminino pode prevalecer e outros em que o masculino se sobressai. O importante é cada um ocupar seu espaço e a profissão e a sociedade saírem vencedores", disse.

Ainda no turno da manhã, a Atleta de paratriathlon Adriele Silva, levou para a plateia seu case “Superação Feminina”. Bastante emocionada, ela parabenizou a realização do evento e contou sua história de superação através do esporte. Após ter sido biamputada há cinco anos por causa de uma infecção generalizada, ela encontrou no atletismo uma saída para a recuperação. “Quando essas coisas acontecem com a gente, nós queremos encontrar nosso estado normal, que é a capacidade de correr. Então, eu queria voltar a ter meus movimentos, mas fui vendo que podia ser mais do que isso”, conta. Ela também falou que o ambiente no mundo esportivo ainda não favorece as mulheres, a parte técnica é muito voltada para o sexo masculino e que essa realidade precisa mudar. Hoje, Adriele é recordista brasileira nos 100m, 200m e 400m no atletismo, tendo conseguido medalha de ouro na Copa do Brasil de 2017.

No mesmo encontro, no turno da tarde, foi realizado o painel “Responsabilidade Social da Mulher na Vida Pública”, com a participação das debatedoras: Eliana Calmon, ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ); Olivia Santana, secretária do Trabalho, Emprego, Renda e Transporte da Bahia; Ana Paula Matos, diretora Geral das Prefeituras de Bairro (GABP); e Maria Quitéria Mendes, presidente da Fundação Luis Eduardo Magalhães (FLEM), com mediação da conselheira do CFA, Admª Tânia Maria da Cunha Dias.

 

A Ministra aposentada Eliana Calmon, falou da mulher de forma globalizada. “Um dos efeitos da globalização, foi nos mostrar os mais graves problemas enfrentados para o desenvolvimento sócio-econômico dos países, e a desigualdade de gênero era um dos temas. Este é um dos grandes problemas para o desenvolvimento do Brasil. Após alguns debates, começaram a falar sobre desenvolvimento sustentável ligado à desigualdade de gênero, e um engajamento entrou em ação entre governos, empresas, movimentos sociais e organizações da sociedade civil”, informa.


Eliana lembrou a que a mulher ainda é vista com desigualdade no mercado de trabalho e que, por isso, ainda tem muito a conquistar. Ela disse também, que precisa acontecer uma mudança no sistema político brasileiro. Para finalizar sua fala, Eliana explicou que a ONU Mulher deixou de defender a desigualdade de gênero porque existem barreiras sociais. Atualmente, o objetivo da ONU Mulher é superar as diferenças e esse novo alinhamento está dando certo.


Já a secretária Olívia Santana, destacou que o Fórum da Administradora é muito importante para refletir sobre o que é ser mulher. “Mesmo no século 21, com avanços importantes a comemorar, do ponto de vista da luta das mulheres, é preciso entender que nós ainda estamos longe, infelizmente, de alcançarmos uma condição efetivamente de iguais”, acredita Olivia, acrescentando que “é preciso fazer um enfrentamento e desmantelar essa engrenagem para que a gente possa colocar algo novo no lugar, com avanços civilizatórios. Nesse sentindo, é importante pensar o território da vida pública, do mundo do trabalho, como espaços fundamentais para o empoderamento das mulheres”, espera.


A presidente da FLEM, Maria Quitéria, acredita que o empoderamento está chegando. “É perceptível ver que muitas mulheres já exercem sua liberdade de expressão. Isso é uma evolução, pequena, claro, mas é um avanço”. Entretanto, Maria Quitéria aconselha a união entre as mulheres para que juntas possam somar e lutar pela igualdade de gênero. “Precisamos levar em conta a empatia, se colocar no lugar da outra sem julgamento”, diz.


Ana Paula Matos, diretora da GABP, finalizou o painel falando: “enquanto cada um de nós não entender que do lado de lá, ou do espelho, da vida, ou da mesa, tem uma mulher que sofre, mas que tem potencialidades, a gente não vai avançar. Então é necessário rediscutir, não só a gestão publica, mas também o ensino da gestão, e, sobretudo, os cargos ocupados pelas pessoas nas esferas públicas e privados. Eu conclamo vocês, que tem boa vontade, capacidade de estudar e se dedicar, a ocuparem os espaços públicos. Também aconselho almejarem ser CEOs, executivas, presidentes, deputadas, ministras, mas com preparação e boa bagagem”, aconselha.


Após o painel, foi aberto um debate sobre o assunto com as participantes. Ao final do Fórum, todos receberam certificados.

 
Fonte: CRA-BA
 
Compartilhe esse conteúdo
 
 
 

CRA-BA

Av. Tancredo Neves, 999, Ed. Metropolitano Alfa, 6º andar - Caminho das Árvores CEP: 41.820-021. Salvador - Bahia

Tel: (71) 3311-2583 • Fax: (71) 3311-2573 • E-mail: cra-ba@cra-ba.org.br
Horário de Atendimento: das 9:00h às 17:30h

 
 

Produzido pela: ZCR